Escola França Pinto-História

        Construindo o sonho da escola cidadã
 Por volta de 1948, a Vila Municipal foi criada, e com ela, a necessidade de uma escola, que foi chamada de “Escola Graduada 5”,  em 26 de abril de 1954. Só depois, a escola passou a ser denominada Grupo Escolar França Pinto.
           Dr.Luiz de França Pinto foi um rio-grandino, nascido em 1º de dezembro de 1877,  que honrou nossa cidade com seu talento como jornalista, poeta e reitor da Escola Lemos Junior. 

                               Um dos militares da época da repressão disse ao jornalista Elio Gaspari sobre França Pinto: “fui matriculado no Lemos Jr. porque o reitor (Luiz de França Pinto) estava interessado numa experiência pedagógica e pediu isso a meu pai (...) Nunca soube direito a que tipo de experiência fui submetido, mas lembro-me do resultado com orgulho. Entre os treze e catorze anos li quase todos os clássicos da literatura portuguesa. Camilo Castelo Branco, por exemplo, devorei inteiro. Inventariei a biblioteca e os laboratórios de física e química, equipados com material alemão de muito boa qualidade”, recorda.

                       Dr.Luiz de França Pinto faleceu, aos 56 anos, em 8 de novembro de 1933. Foi inaugurada uma escultura em homenagem a ele em 15 de setembro de 1948. Esse busto está na Praça Tamandaré e homenageou o jornalista que escrevia crônicas com boas doses de sátira.
            Hoje nossa escola possui 18 salas de aula(que chamamos de ambientes de aprendizagem), mais de mil alunos em três turnos, com um corpo docente de cerca de 80 professores, uma banda, um corpo coreográfico, uma biblioteca, uma sala de informática, o projeto Futsal com comprometimento, uma horta, time de punhobol e basquetebol. 
                Atualmente, a escola está sob a direção da professora Maria Conceição Gonçalves e as vice-diretoras  Fabiane Lopes e Fabiana Machado.

                








                                                                    Localização da Escola




                     Busto de Luís de França Pinto


Localizado na Praça Tamandaré, na frente da Casa do Artesanato, na outra face do lago, próximo a confluência da Rua Conde de Porto Alegre.
O busto de Luís de França Pinto inaugurado em 15 de setembro de 1948 é uma homenagem de um grande grupo de seus ex-alunos, como reconhecimento e gratidão ao insigne mestre.
Luís de França Pinto, filho de Manoel Alves Pinto e Antônia Corrêa Pinto, nasceu em Rio Grande dia 2 de dezembro de 1876 e faleceu dia 08 de novembro de 1933, aos 56 anos. Honrou a Cidade do Rio Grande com seu talento como educador, escritor, inspetor escolar, jornalista, latinista, poeta, orador, secretário e reitor do Ginásio Municipal Lemos Júnior. Como jornalista dosava suas crônicas com pitadas de sátiras ou humorismo.
Quando criança foi aluno do notável Educador Cipriano Porto Alegre, posteriormente foi completar seus estudos de Humanidades no Instituto Rio-Grandense, em Porto Alegre, do Mestre Ápeles Porto Alegre, também rio-grandino e primo-irmão do professor Cipriano.
Dia 16 de janeiro de 1897, aos 21 anos, casou-se em Rio Grande com Dalzira de Medeiros, com quem teve dois filhos, Armando e Américo Baptista, Farmacêutico pela Escola de Farmácia de Pelotas, era proprietário da famosa Farmácia Universal.
Luís de França Pinto foi educador em Rio Grande por mais de vinte anos. Em 10 de dezembro de 1905 quando reiniciou a circulação do Jornal “O Artista”, França Pinto assumiu como redator Chefe. Também foi redator dos Jornais “O Intransigente”, “Diário do Rio Grande”, “Echo do Sul” e “O Tempo” e foi cronista humorístico do jornal “Correio Mercantil” de Pelotas, usando os pseudônimos Petronius, Altecista e Ludovicus.
Em janeiro de 1909 ingressou no Corpo Docente do Ginásio Municipal Lemos Júnior, dedicando sua vida ao apostaldo do saber, porém devido seu estado de saúde aposentou-se como reitor e catedrático de seu Instituto de Ensino.
França Pinto fez parte da primeira turma de bacharéis da Faculdade de Direito de Pelotas, formados em 18 de novembro de 1916, em Cerimônia no Salão Principal da Intendência Municipal de Pelotas, na qual fez o discurso de despedida dos Bacharéis, juntamente com Francisco Amaral Braga e Octávio Pitrez.
Por volta de 1948, a Vila Municipal foi criada havendo a necessidade de uma escola, a qual foi denominada “Escola Graduada 5”, em 26 de abril de 1954. Posteriormente, a escola passou a ser denominada “Grupo Escolar França Pinto” em homenagem ao exímio mestre rio-grandino.
Fonte - Jornal Agora ( http://www.jornalagora.com.br/site/content/noticias/detalhe.php?e=3&n=88634 )




3 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  2. Violência na escola

    A violência na escola é muito perigoso nas escolas publicas e deveria ter guardas no minimo por que se tiver alguma briga ele iria separar as brigas.
    Aconteça muita violência até as maẽs se metem nas brigas os adolecentes começam vir de outras escola para ver as brigas então começa a ter mais briga.
    O bullying é muito frequente nas escolas por isso acontecem as brigas.



    NOME:Luiz Pablo
    TURMA:6 ano D

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir